segunda-feira, 28 de julho de 2008

Tunning I

A forma mais vulgar de tunning consiste basicamente em colocar apetrechos coloridos e escapes barulhentos ou aparelhagens em automóveis. Esta prática é vista em quase todo o lado como uma parolice. Como uma frivolidade de pessoas com problemas com o tamanho do seu sexo... Mas há outras formas de tunning. Muitas vezes o tunning está mesmo debaixo dos nossos narizes. Na casa ao lado... ou mesmo na nossa. Pode estar em nós mesmos...
Uma forma de tunning muito portuguesa assume a forma de 'avançados' e 'recuados'. De 'marquises' de alumínio e varandas fechadas. Passo a explicar: estou de férias no AllGarve e reparei que o apartamento da minha família é o único que ainda tem a varanda aberta. Ou seja é a única varanda que tem o uso para o qual foi desenhada. Há uma mania de alargar as casas que me ultrapassa. Neste caso particular o que acontece é que o meu apartamento parece estar a 'estragar' o prédio... Tipo:
É uma verdadeira praga esta do tunning imobiliário. O pessoal nunca está satisfeito com a casa. Estão sempre a pensar em como a alargar construindo mais um anexo, um recuado ou um avançado que a torne mais "útil" ou que faça inveja ao vizinho. E é aí que entra o alumínio (felizmente hoje em dia já se usa alumínio sem ser o prateado...) criando espaços abafados, húmidos, bafientos e quentes que de facto não se conseguem usar. Um pouco como os energúmenos que colocam escapes barulhentos nos carros e motas pois como toda a gente sabe barulho é sinónimo de potência. E de facto anda por aí um qualquer problema com potência.
O tunning rege-se por uma vontade de melhorar algo mas de forma a que dê nas vistas. O que se passa é que raramente melhora o que quer que seja e dá tanto nas vistas que se torna num problema de saúde pública.
Mas há muitas outras formas de "tunning"...
Voltarei a isto mais tarde...

Sem comentários: