segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Poema para Galileu

Dia 24 de Novembro foi o Dia Nacional da Cultura Científica, que comemora o nascimento de Rómulo de Carvalho (ou, António Gedeão). O Público, para comemorar a ocasião pediu a 35 cientistas portugueses para ler o «Poema para Galileo». Aqui está o resultado e, para complementar, deixo em baixo o mesmo poema lido pelo autor:

O pecas está feliz!

Hoje os mercados acordaram "animados" porque o governo dos EUA decidiu dar algo como cerca de 20 mil milhões de Dólares ao Citigroup para o salvar... Eu depois de ver a conta da revisão do carro, das compras do mês, da prestação da casa e do carro, da segurança social e do infantário... decidi ficar feliz... por eles...
Demagogia?
Não...
Realidade.

Pai Updated

A Inês de 2 anos pergunta ao seu pai protector:«A chupeta?»
Respondo eu "descendo" ao seu nível de criança e a querer brincadeira: «Foi o au-au que a levou...»
Resposta: «O cão?!?»
...Está crescida... e desconcertante...

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Obama



O "sonho americano" está de volta...
Os tipos de direita estão todos a dizer que a esquerda vai ficar desiludida...
Eu digo: pelo menos temos esperança.
E o mundo já mudou.
Adaptem-se!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

O dia do resto

Parece que finalmente vai acabar a saga Election 2008.
Nos últimos meses tenho acompanhado quase diariamente a eleição americana mas agora parece estar tudo decidido: Obama tem as sondagens a favor, tem o resto do mundo a favor e até a avó branca de 86 anos morreu na véspera das eleições... Mas... A eleição é hoje, as pessoas estão agora a votar e temos que nos lembrar da fraude que deu a primeira vitória ao Bush - na Florida onde o irmão era Governador, dos problemas raciais que alguns podem ter e do facto de as sondagens errarem (são sondagens).
Eu espero que o Obama ganhe e estarei em frente à televisão e computador a seguir todos os passos.
Para além de concordar com a mensagem de mudança para a América e para o Mundo e de achar que ele traz uma nova esperança e discurso positivo, também acho que é triste que os Republicanos estejam a contar com o orgulho em ser pouco culto, os ataques baixos e o factor da raça para alcançar uma vitória que espero que lhes escape. Tal como também espero que lhes escape a vitória no Congresso e Senado e em todas as questões que irão ser referendadas nos vários estados (apesar de não as conhecer não acredito na bondade do GOP)

Podia explicar outra vez, setôr?

Eu sempre me senti menorizado pelo facto dos meandros da Economia me serem praticamente desconhecidos. Não conseguia perceber muito bem com funcionam as Bolsas de Valores e os "mercados". Aliás só um tipo bronco é que escreve "Bolsas de Valores"... Um tipo esperto deveria escrever apenas 'bolsa' ou dizer coisas vagas referindo-se ao Dow e ao Footsie... Mas eu nunca me considerei um tipo muito esperto... Apesar de conseguir decorar textos com dezenas de páginas e conseguir representar esses textos com algum sucesso, apesar de saber calcular alguns coeficientes de Clebsh-Gordan e me mover com crescente desenvoltura nos caminhos sinuosos da geometria diferencial calculando curvaturas em donuts e testando soluções para buracos negros... apesar disso a economia era para mim um mundo de gente esperta e inteligente.
Afinal não! Parece que afinal de contas esses tipos apenas são espertos mas não percebem nada do que fazem. São espertos porque conseguiram encher-se de bónus e prémios por sucessos e ganhos que não existiram, porque nos andaram a enganar (a alguns) e porque agora ainda nos puseram a pagar as suas dívidas. Espertos sim, mas não inteligentes, porque se também forem inteligentes têm de ir todos para a prisão.

De volta ao Porto

Depois de 2 semanas (3 com ensaios) a fazer o espectáculo Muna no D. Maria II e de uma semana de readaptação ao Porto e Adaptação às minhas novas funções enquanto professor de Física na ACE estou de volta. Claro que em Lisboa tinha net mas entre espectáculos de manhã e à noite e tardes a alimentar ódios à EMEL ou sonecas bem merecidas para recuperar entre apresentações... não consegui escrever uma linha que me desviasse para o vermelho. Mas houve outro factor para esta ausência: não queria transformar este blog num desfiar de chorinhos e lamúrias a que nos obriga a crise financeira, as fachadas do Porto a cair, o Rui Rio, os tribunais, a chuva e o frio, o Ricardo Pais a deixar o TNSJ, o Rui Rio a não deixar a câmara, etc. Nem queria destilar fel que poderia corroer teclados... Mas - e porque há sempre mais um mas - que seja o que aquele-que-não-existe-quiser e aqui vai um novo começo com ainda mais fel, mais graçolas, mais mau humor, mais lamúrias e mais crise existencial.